domingo, 3 de janeiro de 2010

Ciclo da Vida


Estendemos a mão mesmo quando já não existe nada que alimente a esperança.
Caminhamos pela pedra da calçada mesmo quando já perdemos as vezes que nela tropeçámos.
Acendemos uma vela mesmo quando já não é necessário.
Esquecemos-nos do mais importante no fim disto tudo: fazer uma breve despedida realmente quando já não temos nada a ganhar ou perder.

Elo.

6 comentários:

  1. :( Que triste. É necessária essa despedida? Não é alimentar mais a fogueira?

    ResponderExcluir
  2. A esperança na realidade é o que nos estraga *

    ResponderExcluir
  3. no escuro pode haver medo, mas também há esperança. e por isso, preferimos não acreditar que é o fim.

    ResponderExcluir
  4. http://imagemdapoesia.blogspot.com/2011/04/para-onde-caminhamos.html

    um poema teu.

    beijinho*

    ResponderExcluir