quinta-feira, 25 de março de 2010

Tudo do Averso


Pões-me louca!
Todos os dias para ti é o caos, todos os dias ameaças-me a mim e a ti, todos os dias culpas-me de imperfeição, todos os dias odeias-me.
Antes de fazeres o quer que seja, farei eu. Deixaste-me sem sono, roubaste-me o sentido de humor, descontrolaste-me, enfraqueceste-me, mataste-me. Ninguém conseguiu esgotar-me tanto como tu.
Tu estás fora de ti e queres pôr-me também fora de mim. Então parabéns, porque conseguiste.
Continuo a tratar-te por tu, mas será que ainda tenho essa confiança? Ou será que me vais atirar à cara que não tenho educação? Como vês, esgotei-me, tu esgostaste-me.
Hoje não durmo em casa, não suporto mais a tua voz. Lembro-me quando passava horas e horas a admirar-te, tinha orgulho em ti. Eras minha, minha mãe. Por ventura, hoje és quem me sustenta. Foges de mim, ignoras-me, calas-me, magoas-me, enfraqueces-me e matas-me!

E tu pai? Quando voltas a sentar à mesa? Quando voltas a dar-me um beijo de boa noite? Quando voltas a convidar-me para sair contigo? Quando sais de uma vez por todas dessa cadeira em frente ao computador? Quando voltas a ser meu pai ? Larga-me o jogo, por favor.

Elo.

3 comentários:

  1. Sem palavras Elo, está magnifico.

    ResponderExcluir
  2. a minha sorte foi não ter nenhuma no pc onde estava.
    gosto do blog, vou seguir *

    ResponderExcluir